segunda-feira, 25 de novembro de 2019

MÊS DE NOVEMBRO


Ao longo do mês de novembro foram realizadas várias exposições na Biblioteca Escolar da EB 2,3 de Taveiro: Bullying, Direitos Humanos, Violência contra a Mulher e Centenário de Sophia de Mello Breyner Andresen. As duas primeiras serviram para dar uma aula, no âmbito da disciplina Cidadania e Desenvolvimento, ao 5.º ano.

terça-feira, 17 de setembro de 2019

BOM ANO LETIVO COM MUITAS LEITURAS E MUITAS PESQUISAS!
A Leitora
A leitora abre o espaço num sopro subtil.
Lê na violência e no espanto da brancura.
Principia apaixonada, de surpresa em surpresa.
Ilumina e inunda e dissemina de arco em arco.
Ela fala com as pedras do livro, com as sílabas da sombra.

Ela adere à matéria porosa, à madeira do vento.
Desce pelos bosques como uma menina descalça.
Aproxima-se das praias onde o corpo se eleva
em chama de água. Na imaculada superfície
ou na espessura latejante, despe-se das formas,

branca no ar. É um torvelinho harmonioso,
um pássaro suspenso. A terra ergue-se inteira
na sede obscura de palavras verticais.
A água move-se até ao seu princípio puro.
O poema é um arbusto que não cessa de tremer.

António Ramos Rosa, in "Volante Verde"

quinta-feira, 18 de julho de 2019

Boas Férias!

Aproveitem e não se esqueçam de ler! A leitura é fundamental para o sucesso escolar, pois leva o aluno a saber mais, a refletir, a ter espírito crítico, a ser mais tolerante e solidário.







sexta-feira, 15 de março de 2019

Semana da Leitura

Durante a Semana da Leitura, a professora bibliotecária deslocou-se a todas as salas de aula de Português do 2.º ciclo para leituras de vários textos (poemas de Eugénio de Andrade e Sidónio Muralha e leitura da obra "A árvore generosa" de Shel Silverstein). A equipa da biblioteca gostaria que os alunos fossem à biblioteca deixar um comentário sobre a atividade.

Urgentemente

É urgente o Amor,
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros,
e a luz impura até doer.
É urgente o amor, 
É urgente permanecer.

                     Eugénio de Andrade