quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Parabéns, Manoel de Oliveira!



O cineasta Manoel de Oliveira faz hoje 100 anos!

É uma personalidade muito importante não só em Portugal, como uma figura de destaque e reconhecida no mundo do cinema.
Durante este mês vamos conhecer um pouco da sua vida.

Manoel Cândido Pinto de Oliveira nasceu a 11 de Dezembro de 1908, no Porto, mas apenas foi registado no dia seguinte. Filho de Cândida Pinto e Francisco de Oliveira, o primeiro fabricante de lâmpadas em Portugal, teve dois irmãos, Francisco e Casimiro, e dois meios-irmãos, estudou no Colégio Universal, no Porto, e num colégio de jesuítas perto de La Guardia, Galiza.Em 1929, Manoel de Oliveira começou a rodar o primeiro filme, "Douro, faina fluvial", com uma câmara oferecida pelo pai e com a ajuda do amigo e fotógrafo António Mendes. Além de diversos prémios e distinções cinematográficas, no plano oficial, Manoel de Oliveira recebeu em 1982 a Comenda da Ordem de Mérito da República Italiana e, no ano seguinte, foi condecorado Comendador da Ordem de Artes e Letras de França. Em 1989, recebeu a Comenda da Ordem do Infante D. Henrique pelo então Presidente da República Mário Soares e em 1997 foi distinguido como Grande Oficial de Mérito Nacional pela República e do Governo Francês.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

As escolhas de...



Estamos na época de Natal e as ofertas são especiais!
Convidámos alguns membros da comunidade escolar a escolherem e a apresentarem um livro que tenham apreciado particularmente.
Durante este mês de Dezembro, o Autor do Mês vai dar lugar às Escolhas de…





A D. Isabel Gaspar já elegeu o seu livro favorito!
Vamos conhecê-lo?




Pedro, olhos de águia
Maria Teresa Maia Gonzalez



Colecção: Difel Júnior Profissão: Adolescente
Ano de Edição: 1998
Nº Páginas: 120
ISBN: 978-972-29-0862-7

Pedro nasceu numa família com um passado de fortuna e um nome conhecido: os Castelo Branco.O Pai tem uma vida de solidão, de prisão e de doença, tendo sido abandonado pela mulher que entretanto vive com um homem insignificante. Só o seu filho Pedro (o filho de quinze anos), vai ter a responsabilidade de o acompanhar nos três difíceis anos da prisão e nos meses seguintes à sua libertação.A autora, Maria Teresa Maia Gonzalez, tem um profundo conhecimento dos problemas dos jovens e relata, neste livro, o perfil de uma geração que soube encontrar os alicerces de ternura, tolerância e solidariedade. Existe uma demonstração clara de que ninguém pode respeitar os outros se não se respeitar a si próprio.As personagens Pedro, Susana, Marco e Vítor pertencem a um grupo social, cujo destino nos pertence também um pouco.



Todos nós devemos ter a capacidade de perdoar e ajudar os que nos são queridos.
Aconselho este livro a todos, principalmente, aos jovens. Não se vão arrepender!

D. Isabel Gaspar
Auxiliar de Acção Educativa

A obra que se segue foi a escolhida pela D. Cristina Oliveira. Leiam o seu comentário!


A Lua de Joana
Teresa Maia Gonzalez
Ano de Edição: 2001
Editor: Verbo
ISBN: 978-972-22-1633-3


Este livro fala-nos dos pais que tentam afastar os seus filhos de maus caminhos. É também para aqueles que pensam, que não caem em tentação.
É uma história da vida real - pode acontecer a qualquer um de nós, e em qualquer lugar.
Joana é uma rapariga que, ao ver a sua melhor amiga morta, por overdose, decide começar a escrever cartas para ela, para manter a sua memória viva.
Devido a uma família ausente, Joana, lentamente, começa a percorrer o mesmo caminho da sua amiga, pois não consegue dialogar com ninguém sobre a dor de perder uma amiga.
Ao lermos este livro, temos vontade de dar a mão a Joana, ao ver como ela se afunda, porque ela própria, que criticara a amiga, está a fazer o mesmo. Há tantas Joanas por esse mundo fora, a cair num poço sem fundo, e muitas não têm ninguém que as ajudem a sair dele, mas também as que, apesar do apoio incondicional, por vezes , tudo rejeitam.
Este livro é uma grande lição de vida para os pais, para que estes estejam mais atentos, porque os filhos não são só para despejar na escola, quanto mais tempo melhor e dar-lhes bens materiais para compensar a falta de Amor, Diálogo…
Temos que amar os nossos filhos, para isso o mais importante na minha opinião é dar-lhes toda atenção pois eles são o Bem mais precioso que possuímos.


Cristina Oliveira
Auxiliar de Acção Educativa